Um Blog que visa informar, conscientizar e diminuir preconceitos frente á uma Rara Doença...
Minha caminhada pessoal contra um Tumor Cerebral localizado na Glândula Hipófise.
Uma Luta contra a Síndrome de Cushing!! Vencendo!!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Dosagem do Cortisol

Achados Clínicos na Síndrome de Cushing que levam á realização dos exames abaixo:


Diagnóstico Laboratorial de Síndrome de Cushing



Os testes utilizados nesta etapa devem ter alta sensibilidade, para evitar resultados falso-negativos (pacientes com hipercortisolismo (que possuem algum tipo de Cushing) e que são diagnosticados como normais). É importante lembrar que as diversas causas de Síndrome de Cushing podem apresentar períodos intercalados de maior ou menor atividade da doença, caracterizando uma ciclicidade. Logo, antes de descartar a hipótese de Síndrome de Cushing após um resultado negativo, o clínico deve repetir a avaliação em outra ocasião, pela possibilidade de se tratar de um Cushing cíclico.



Dosagem de Cortisol Urinário Livre (FU) de 24 Horas (3 dias de Amostra)


Este exame fornece uma medida integrada da secreção de cortisol durante o dia. A dosagem do cortisol livre é superior ao cortisol total (livre mais ligado à proteína carregadora), pois não sofre influência de situações que alterem a CBG (corticosteroid-binding globulin), como o uso de estrogênios e a tireotoxicose. A principal limitação da aplicação deste exame é a insuficiência renal crônica (clearance de creatinina inferior a 30 mL/min). Para aumentar a sensibilidade do teste, recomenda-se que seja repetido 3 vezes. Níveis normais nas 3 ocasiões praticamente excluem o hipercortisolismo (sensibilidade entre 95 e 100%).


Estados de pseudoCushing, isto é, situações em que há uma hiperativação do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (depressão grave, alcoolismo, transtornos ansiosos, obesidade, uso de algumas medicações) podem cursar com elevação modesta do FU, sem haver tumor.

Como é realizado:

No dia 1, despreze a primeira urina da manhã e colete toda a urina subseqüente (em um recipiente especial, fornecido pelo Hospital ou laboratório) durante as próximas 24 horas, e armazena o recipiente na geladeira após toda coleta...
No dia 2, colete a primeira urina da manhã e toda a urina subsequente, e armazena o recipiente na geladeira após toda coleta...
No dia 3, colete a primeira urina da manhã e toda a urina subsequente até a primeira urina do dia seguinte, e armazena o recipiente na geladeira após toda coleta...
Caso você tenha feito o exame em casa você deve levar os recipientes cheios do dia sempre no dia seguinte, Não deve esperar o termíno dos três dias para levar á amostra ao laboratório...

Resultados: 



Normal - FU - 10 a 100 mcg/24 h* (esses dados depende do laboratório)

Níveis elevados de cortisol urinário podem indicar:



Tumor secretor de ACTH
Síndrome de Cushing
Tumor pituitário

Níveis reduzidos de cortisol urinário podem indicar:

Doença de Addison
Insuficiência Adrenal
Hipopituitarismo
Hiperplasia adrenal congênita




Dosagem de Cortisol Sérico (FS) após Dexametasona em Dose Baixa (1mg)



A dexametasona é um glicocorticoide sintético com meia-vida prolongada, que não é dosado no ensaio bioquímico específico para cortisol.O teste pode ter seu resultado comprometido por administração de drogas que acelerem o metabolismo hepático da dexametasona (barbitúricos, fenitoína, carbamazepina, rifampicina), causando resultados falso-negativos, bem como em situações que cursem com elevação das concentrações de globulina ligadora de corticoide (CBG), como gravidez e uso de estrogênios. O teste com 1 mg é de fácil aplicação ambulatorial e, juntamente com a dosagem do cortisol urinário de 24 horas, constituem os principais exames para diagnóstico de Síndrome de Cushing.


Como é Realizado:
O teste consiste na administração oral de 1 mg de dexametasona entre 23:00 e 24:00, seguida por coleta de sangue venoso e dosagem de cortisol sérico (FS) na manhã seguinte, entre 8:00 e 9:00.

Resultados:

Níveis de FS (Cortisol) inferiores a 1,8 mcg/dL tornam o diagnóstico de Síndrome de Cushing improvável (S=98% e E=88%). Resultados acima deste limite implicam testes adicionais (prossegue investigação).


Este exame também pode ser realizado na presença de outras condições, como:


Síndrome de Cushing ectópica
Síndrome De Cushing por tumor adrenal
Doença de Cushing (tumor hipofisário)


Dosagem de Cortisol Salivar entre 23h e 24h e pós dexametasona pela manhã



A dosagem do cortisol na saliva correlaciona-se bem com o plasma, independentemente do fluxo salivar. Além disso, os kits de coleta disponíveis permitem a dosagem em até 1 semana. Tem se estudado bastante sobre esse teste ser o mais sensível para a realização do diagnóstico... Pode ser dosado também com o teste de supressão com 1mg de dexametasona, administrando a medicação após o paciente coletar a saliva do periodo noturno entre 23:00 e 24:00, seguida por coleta de nova saliva e dosagem de cortisol salivar na manhã seguinte, entre 8:00 e 9:00.
A principal limitação da dosagem do cortisol salivar é a indisponibilidade do método na maioria dos centros.


Como é Realizado:



O teste consiste na coleta de saliva entre 23h e 24h, o intuito é mastigar e umidificar o máximo possível o algodão contido no salivite, após a coleta pode ser usado a administração oral de 1 mg de dexametasona, e em jejum na manhã seguinte entre 8h e 9h coletar novamente saliva com o uso do salivete.


Resultados:

Valores de cortisol salivar da noite acima de 550 ng/dL identificam os casos de Síndrome de Cushing com sensibilidade e especificidade de até 95%.

Níveis elevados de cortisol salivar podem indicar:



Tumor secretor de ACTH  (ectópico)
Síndrome de Cushing
Tumor pituitário (doença de Cushing)


Continua....
 (Seguindo á imagem do post do dia 22/08 do Protocolo)




Boa Noite...
 
 PS: OS VALORES DE REFERÊNCIA PODEM MUDAR DE ACORDO COM O LABORATÓRIO, POR ISSO SÓ O MÉDICO PODE INTERPRETAR EXAMES...

2 comentários:

Águia Nordestina disse...

hummmmmmmm acho q sei q tem essas imagens animadas pra lhe dar... rsrsrs

Tânia Longo Mazzuco disse...

Olá Karina,
me deparei por acaso com o seu blog, parabéns pela iniciativa.
Sou professora e médica endocrinologista e me especializei em Cushing, vc bem sabe que é um problema bastante complexo do ponto de vista diagnóstico e também terapêutico, por apresentar várias armadilhas e diversas dificuldades nos exames, além de englobar diferentes doenças.
Encontrei seu blog ao procurar se havia alguma associação de pacientes brasileiros em prol da difusão de informação e orientações práticas sobre Cushing (pois gostaria de recomendar aos meus pacientes), mas acredito que não há. Você parece ter várias aptidões para iniciar uma associação no país! No exterior existem associações de pacientes muito bem estruturadas que fornecem apoio mútuo, inclusive estas associações expõem suas atividades nos "stands" em congressos internacionais de endocrinologia, é um trabalho muito bonito.

Quem sabe vc está plantando uma semente?

Um grande abraço
dra. Tânia Longo Mazzuco
Londrina - PR
tmazzuco@uel.br