Um Blog que visa informar, conscientizar e diminuir preconceitos frente á uma Rara Doença...
Minha caminhada pessoal contra um Tumor Cerebral localizado na Glândula Hipófise.
Uma Luta contra a Síndrome de Cushing!! Vencendo!!

domingo, 28 de novembro de 2010

Perdas... e... Ganhos...


Achei interessante falar sobre um assunto que meu amigo Felipe esses dias levantou no seu blog, á solidão, á falta de solidariedade (da minoria), um certo abandono que acontece quando alguém adoece!!
E engraçado que li o post do Felipe, justamente no dia que reencontrei (por acaso) alguém que me foi muito especial mas que não aguento ficar do meu lado quando fui surpreendida pela doença!!


Vou dividir essa história com vocês não por exibicionismo ou para me colocar em um papel de vítima, de forma alguma, apenas quero compartilhar esses sentimentos que me transbordam agora e que podem estar a transbordar em alguém...
É até meio complicado de falar, mas eu sou assim só elaboro minhas dores, minhas perdas, meus pesares, assim como alegrias, amores e conquista enquanto escrevo!!


"Antes de adoecer, alguns meses antes dos primeiros sintomas surgirem, eu estava vivendo o auge da minha vida, tinha me formado, feito uma especialização na área e abordagem que sempre amei, estava atuando na área, em um Hospital, trabalhava com pacientes oncológicos, e em setor fechado como CTI e UCO... Mantinha dois empregos trabalhava também á noite com psicofarmácos e eu adorava, estava sempre estudando, realizando cursos, concursos, participava de projetos sociais, era evangelizadora aos sábados, ia á academia religiosamente... Era independente, financeiramente, psicologicamente, dirigia meu carro e dirigia minha vida... Tinha muitos amigos, uma vida social, sempre mantive um ótimo relacionamento com minha família, e no amor.... Ahhh o Amor.... também não estava podendo reclamar, estava bem servida em todas as áreas de minha vida... Estava com um namorado há um tempo, ele sempre muito brincalhão, alegrava minha vida, faziamos muitos planos juntos, estavamos sempre sonhando...


Então minha vida virou de ponta cabeça... Surgiram os primeiros sintomas da doença em julho de 2008, e em janeiro de 2009 eu já pesava 23kg á mais, mesmo passando fome, dobrando os exercicios na academia, estava sempre inchada, e continuava engordando... Me sentia culpada e infeliz com essa situação, a auto estima despencou e então começei a querer diminuir os passeios, a vida social, os momentos intimos... E uma crise no relacionamento começou á se instalar... Achei que pudesse ser estresse pois tinha uma carga horária pesada de trabalho, e com muita dó de tomar essa decisão acabei abrindo mão de um dos meus empregos... Isso me deixou triste, deprimida, me sentindo uma fracassada (mas já era um dos sintomas da doença)... O que causou um distanciamento entre nós... Ele me cobrava, jogava na minha cara que uma psicóloga não podia ser deprimida, que eu estava fazendo corpo mole... Meu sono era instável, tinha noites terriveis de insônia, e se eu acabasse dormindo no dia seguinte no meio de um filme já era motivo para brigas intermináveis... Outros sintomas começaram á se instalar, minha mãe preocupada dizia que era hora de procurar um médico, e nessa época não recebi o apoio que esperava encontrar nele... Ele dizia que era excesso de zêlo, que eu estava buscando desculpas médicas para ter engordado tanto, e mais uma pancada de palavras que me feriam muito, pois afinal ele era á pessoa que eu amava...


Realmente eu não era mais á pessoa que ele havia conhecido e que namorava... Meu rosto modificou,, meu corpo modificou, meu humor, meu estado de espírito, minha auto confiança não era mais a mesma... É... Eu não era mais a garota pelo qual ele tinha se apaixonado, alegre, dona de si, bem sucedida... Eu não tinha mais planos, a doença me deixava sem vontade para tudo, até televisão me era insuportável...
Realizei minha primeira consulta médica em maio de 2009, e nesse tempo estavamos em uma crise enorme, passavámos dias sem se falar, algo incrivel para alguém que "torrava" o telefone de ligações, que seguia todos os meus passos até sem eu saber!!


Eu entrava então em uma maratona de exames médicos, idas ao laboratório toda semana, tinha consultas á cada quinzena, e ele nunca se preocupou em me levar, desprezava meus sintomas dizendo que era algo inexistente, frescura, que ele não tinha paciência para ficar horas em exames e consultas, que não era essa á vida que ele havia escolhido. Nesse dia demos um basta, eu sabia que essa era uma "prova" minha, e que ele já havia demonstrado que não teria suporte algum para enfrentar o que estava por vim, junto comigo...
Em dezembro de 2009, 3 meses após o termíno do relacionamento, tive uma queda brusca nos meus níveis de potássio, estava com taquicardia há 1 semana, mas não contei á ninguém (aprendi as consequencias disso)... Os níveis de potássio ficaram tão baixos que afetou a musculatura cardíaca, fui levada as pressas para o CTI do hospital onde trabalho com suspeita de infarto... Fiquei 3 dias na CTI... Ele ficou desesperado, mas aí eu já estava muito triste e também decidida... Fui sim capaz de perdoa-lo da forma mais sincera que tenho dentro de mim, mas eu não tinha forças para reatar nada, e nem queria... O apoio que me faltou nele, encontrei em minha família...  E Naquele (e nesse) momentos que enfrento em minha vida eu não poderia dar á ele o que ele buscava em um relacionamento... Pois era eu que precisava de compreensão, carinho, apoio (coisas que ele cobrava de mim)... Eu não poderia excluir os hospitais, exames, e médicos da minha vida!! Tive que pensar em mim!! E assim terminou nossa história!!"


Eu acredito que nem todas as pessoas estão preparadas para o adoecimento, eu prefiro pensar que a atitude de abandono e crueldade dele tenha sido uma forma de manifestar a sua frustração frente á uma doença que ele não desejava para mim, por isso era mais fácil acreditar que era uma frescura, foi uma forma inaprópriada de se expressar dor, sofrimento, medo de perder quem se ama!!


Assim como muitos amigos de convivência constante também se afastaram... Talvez por esse mesmo motivo, ou pelo simples fato que a vida deles continuaram, que o mundo que está pausado em busca de uma vida mais tranquila, da cura infinita, da "normalidade" é o meu... Estou afastada de meu mundo há 11 meses... Isso é muito tempo para o mundo que vivemos hoje, o mundo da praticidade, do agora!!
Tudo mudou tanto nesse tempo,que ando medrosa feito um filhotinho de cachorro... rsrs...


Por isso hoje compartilhei mas um pocadinho de minha vida, de minha história com vcs..


Obrigada pela oportunidade de desabafo/fechamento de uma gestalt!!

6 comentários:

Cancer de Mama Mulher de Peito disse...

Talvez eu seja neste instante pedante e cruel.
Mas a vivência, estagiando em uma doença crônica como a minha, e observando tantas outras.
Chego a um denominador comum.
Me faz acreditar que há que se ter muita, maturidade emocional.
Que chega para todos, mas não no mesmo momento.
Então é chegada a hora de deixar ir.
Sem mágoas, sem cobranças.
Nesse exato momento, somos supervisores, da nossa saúde.
Não há espaço para pessoas fracas, sentimentos que não sabíamos ser efêmeros.
Linguagem difícil.
Por isso que existe tanta cumplicidade, entre nós, estagiários crônicos, seja lá na doença que for.
Meu amor seu post, pegou na veia, tenho a certeza que irá ajudar, muita gente.
Bjs.
Wilma
www.cancerdemamamulherdepeito@blogspot.com

SHALOM disse...

AMIGA IMAGINO TUDO OQUE PASSOU E AINDA PASSA SAIBA QUE TBM SENTI COISAS PARECIDAS NÃO TIVE NAMORADO NUNCA TIVE TEMPO PRA ISSO POIS COM 16 ANOS EU TIVE UMA OUTRA DOENÇA QUE ME DEIXOU ATÉ HOJE COM SEQUELAS NOS QUADRIS ONDE PRECISO COLOCAR PROTESES PARA PODER ANDAR E AINDA FOI TER ME DADO CUSHING ENTÃO DESDE MUITO NOVA MINHA VIDA SÓ ERA MEDICO SENTI A FALTA TBM DOS AMIGOS QUE PERDI DEVIDO A NÃO PODER MAS COMPARTILHAR DA SOCIEDADE COMO ANTES POR ISSO ENTENDO SEU DESABAFO SOMOS MUITO FORTE MESMO PARA TER SOBREVIVIDO A TANTAS COISAS NÉ? MAS SEREMOS MUITO FELIZES AINDA EU CREIO BEIJOS DE SUA AMIGA SHALOM ALESSANDRA

Felipe disse...

O seu desabafo é muito importante. Acho que colocando para fora além de ajudarmos a nós mesmos, também podemos compartilhar e ajudar outras pessoas. Ver que isto não acontece só com a gente.
Acho que o pior do abandono ou da falta de apoio para o paciente oncológico, é que esta não é uma doença comum. Ela mexe muito com o nosso psicológico, e estes fatores emocionais são cruciais para o equilíbrio para que possamos vencer a doença. Porém, aprendi que o maior trabalho é o nosso mesmo, sabendo de uma forma, que é muito difícil, lidar com este tipo de coisas e de uma certa forma superá-las. Apesar de tudo, aprendi que além de nós mesmos, a única pessoa que podemos confiar e contar plenamente é Deus. Ele nunca nos abandonará e sempre estará do nosso lado. Os seres humanos são falhos como a gente mesmo, e sempre vamos contar com decepções e desapontamentos em nossas vidas.

Edson Leite disse...

O que dizer depois desse relato? Primeiro agradecer pela coragem de expor uma parte muito intíma da sua vida, na sequência dizer para você não ter medo de nada. Nunca. O futuro a Deus pertence e dele todos queremos participar, não é verdade?
Minha querida amiga, doenças como a nossa, certamente é um divisor de águas, tudo muda depois do diagnóstico. Mas, da mesma forma que sentimos o distanciamento de uns, percebemos o quão somos amados por muitos! Então, nessa conta, a diferença maior é a dosagem do verdadeiro AMOR daqueles que nos cercam mais de perto. E é isso que realmente importa, que nos dar força para continuar na luta pela vida - mesmo que aparentemente seja com muitas "perdas".
Karen, você é jovem, bela na essência da palavra e inteligente, com todos esses atributos vai tirar de letra e VENCER todos os ostáculos que estão aparecendo.
Um grande abraço e beijo do amigo ue aprendeu a te amar, assim, mesmo há milhares de km de distância... Fica com Deus!

cassia.ramos disse...

Linda esta postagem, igual a você, corajosa, sensível e realista.

É assim mesmo, sem exceção. Vejo como uma peneira que nos afasta de sentimentos superficiais e nos aproximam dos solidos, Amor Ágape. Por nossa vivência, posso te afirmar, amor, vida, troca, companheirismo, vai acontecer na sua vida, pelo que você é, pois com certeza está melhor, mais humana, mais doce, mais envolvida, mais solidaria, sem pressa, mais atenta, por exemplo ao nascer do dia, ao Sol, a chuva.... Karina, a seleção sempre é feita. De um jeito ou de outro. Você tem tudo para ser muito Feliz! Não se compare, viva a vida agora, sempre pra frente. Sua amiga, Margherita.

Valéria disse...

Bom dia querida!!Como vce corajosa, guerreira e ao mesmo tempo meiga e tão menina..Sempre venho lendo vc, pois eu vou tirar um adenoma na adrenal esquerda, lugares diferentes né? mas mesmo assim abala..Bom querida eu sou mais rigorosa, penso que o ser humano ficou egoista demais, Não vou dizer todos, mais a maioria dos homens são assim, só pensam nele , são medrosospara encarar uma barra de problema ou doença..até acharem aquela velhha farse que pimenta no ** dos outros é refresco no nosso arde.. desculpas sou muito sincera esse teu ex não te merecia, mas Deus é tão grande que vai lhe dar de presente alguem q te ame acima de qualquer problema, acima de qualquer corpinho bonito ou aparencia..Digo isso pois vc é linda por dentro e por fora... estoua qui torcendo por vc oarando ao nosso senhor por sua recuperaçao... vc é uma rocha... Muitos beijos e desculpe-me por ser assim sincera..parabens por vc ter uma linda familia que esta do seu lado sempre..